Os radialistas que se tornaram políticos

Desde o início da década de 80 já se percebe a recíproca influência do rádio na política. O veículo foi utilizado como meio de tornar pessoas comuns em conhecidas figuras do público em geral. É nesse contexto que vamos encontrar radialistas da década de 70 e 80 se transformando em políticos. A seguir, uma lista dos principais nomes da década:

 

•  Edson Matoso: Começou sua carreira no rádio, conquistando o primeiro lugar no concurso de locutores no programa Momento da Arte em 1970. Logo após esse episódio, seguiu sua carreira como locutor comercial na TV Guajará. Em 1973, ingressou na Rádio Liberal como repórter esportivo, apresentando vários programas, inclusive como animador de estúdio e noticiarista, permanecendo até 1974. Ganhou o troféu “Muiraquitã” , concedido aos locutores esportivos considerados revelação em 1977. Ainda nesse ano, entrou para a televisão como repórter esportivo, vindo depois a apresentar o telejornal Liberal Esporte . Exerceu os cargos de tesoureiro (1970) e vice-presidente da Associação de Cronistas e Locutores Esportivos do Estado do Pará (Aclep) em 1981. Foi também procurador do Sindicato dos Radialistas do Pará em 1982. Em 1988, estreou em FM na Rádio Rauland. Após se tornar conhecido do público através do rádio e da televisão, Edson Matoso começou sua carreira política. Foi eleito deputado estadual, em 1982, pelo antigo PDS, no governo de Alacid Nunes (1979/83) e reeleito em 1986, depois se filiou ao PSDB.

•  Lauro Sabbá: Jornalista profissional, atuou como repórter e redator nos jornais Folha do Norte e O Liberal , e fundou a Tribuna dos Municípios e a Revista dos Municípios . Foi vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Pará. Como radialista, foi redator da Rádio Difusora do Pará (atual Rádio Liberal) e diretor do Departamento de Notícias da Rádio Clube do Pará, onde criou e apresentou, por muitos anos, o programa A Voz Municipalista . Exerceu ainda, a vice-presidência do Sindicato dos Radialistas do Pará e a presidência, interinamente. Graças a sua atuação no rádio e como jornalista, entrou para a política, em 1974, como deputado estadual e reelegeu-se, em 1978, para o mesmo cargo.

•  José Guilherme: Radialista também se elegeu a deputado estadual. Trabalhou na Rádio Liberal AM e, ainda na Marajoara.

•  Costa Filho: Essa atuação dos radialistas na política local tornou-se mais comum em meados da década de 80. Alguns até se aventuram a cargos no poder executivo. “Fui candidato, em 85, à vice-prefeitura de Belém, como foi o meu opositor que ganhou, então eu resolvi me candidatar a deputado”. Costa Filho começou em rádio, em 1961, na Marajoara. Para ele, a sua eleição a deputado estadual, em 1986, se deveu “única e exclusivamente ao rádio”, a popularidade que conquistou ao longo de 33 anos de trabalho em rádio. “Pra mim foi fácil, tanto que eu não tinha dinheiro, eu não investi nada, apenas eu comuniquei aos meus ouvintes que eu era candidato, fiz uma correspondência, mandei pra maioria deles, aqueles que eu tinha o endereço, aqueles que me escreviam cartas. Eles responderam, votaram e eu fui eleito”.

O mais interessante é que, a maioria dos radialistas nesta situação, continuou atuando no rádio, paralelamente a carreira política. Isso aconteceu com Costa Filho, por exemplo, que continuou apresentando o seu programa “Costa Filho Show”, pela Rádio Liberal, durante os anos em que foi deputado.

•  Eloy Santos: Nas eleições de 1988 para vereador, os radialistas mostram novamente a sua popularidade. Eloy Santos, popular radialista de grande audiência no rádio, após seu mandato como deputado estadual em 1982, se elegeu a vereador em 1988 pelo PDS, o mesmo partido que o elegeu como deputado.

•  Adamor Filho , conhecido no rádio AM como “o danado”, por seu estilo de falar tudo, sem temer ninguém, também se enveredou pelo caminho da política. Foi eleito vereador, em 1984, e reeleito em 1988, pelo PMDB.

•  Clodomir Colino: Na década de 80, Clodomir Colino, conhecido na rádio AM pelas preces que costumava fazer em seus programas, se elegeu a Câmara Municipal, pelo PDS.

•  Luiz Soares: Essa influência do rádio na política se tornou muito forte também no interior do Estado. Luiz Soares, deputado estadual eleito em 1986 pelo PMDB, foi conhecido radialista da Rádio Educativa de Bragança, onde trabalhou como redator e noticiarista.

•  Oti Santos: Deputado estadual eleito em 1986 pelo PMDB. Radialista sindicalizado, atuou na Rádio Rural de Santarém onde se popularizou.

•  Kzan Lourenço: Há quem discorde dessa ótica. O radialista Kzan Lourenço, deputado estadual eleito, em 1986, pelo PDS acha que o “rádio não elege ninguém”, quem elege é a televisão. “No rádio eu tentei, mas não consegui”, ressalta referindo-se a sua tentativa de se reeleger em 1990, quando atuava apenas em rádio.

Programas de sucesso na década de 80

As Rádios AM

O Rádio e as mudanças econômicas da década de 80

Quem anunciava em rádio?

Os radialistas que se tornaram políticos

Os radialistas e a política das boas intenções

Bibliografia